Assinado acordo histórico para colocar fim à violência contra mulheres em todo o mundo

19 de março de 2013 3 Comentários »
Assinado acordo histórico para colocar fim à violência contra mulheres em todo o mundo

Foto: ONU – Reprodução

“A violência contra as mulheres é uma violação hedionda dos direitos humanos, uma ameaça global, uma questão de saúde pública e um ultraje moral”, afirmou o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon. A declaração aconteceu durante a 57ª Sessão da Comissão sobre o Status da Mulher, em Nova Iorque.

Durante o evento, pela primeira vez foi assinado por mais de 130 Estados-Membros da ONU um acordo considerado histórico sobre prevenção e eliminação de todas as formas de violência contra as mulheres e meninas.

Apesar de elogiado, especialistas pedem aos governos que traduzam o resultado em ações concretas para proteger e promover os direitos humanos e liberdades fundamentais femininas.

De acordo com a ONU, “o texto aprovado tem foco na prevenção e resposta à violência, através da educação e sensibilização, assim como uma ênfase na redução das desigualdades de gênero nas esferas política, econômica e social”. O atendimento às vítimas e o fim da impunidade também são destacados no documento, além do reconhecimento da necessidade de proteger o direito à saúde sexual e reprodutiva das mulheres.

Para a ONU Mulheres, “ao adotar este documento, os governos deixaram claro que a discriminação e a violência contra as mulheres e meninas não tem lugar no século 21”.

O acordo acontece no momento em que o governo brasileiro também anuncia a criação do Programa “Mulher: Viver sem Violência”, cujo objetivo é estabelecer estratégias para melhoria e rapidez no atendimento às vítimas da violência.

Segundo o “Mapa da violência 2012: atualização – homicídio de mulheres no Brasil”, elaborado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (CEBELA) e a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), o Brasil ocupa a sétima posição mundial entre 84 países analisados em número de mortes femininas. São assassinadas no Brasil 4,4 mulheres para cada grupo de 100 mil. E, o mais grave, houve um aumento de 230% desse tipo de crime no país entre os  anos de 1980 e 2010.

É permitida a reprodução de conteúdo do site para fins não comerciais, desde que citada a fonte: Jornal Mulier – www.jornalmulier.com.br.

3 Comentários

  1. Aldima Araujo abril 4, 2013 at 12:05 - Reply

    Enquanto insistirem em tirar a roupa da mulher ou colocar roupas que remetem os desejos masculinos à comprar e após a compra ser um atrativo para “pegar” mulheres, sofreremos muitas agressões e pior ENQUANTO A TV insistir em seus programas de baixa qualidade intelectual tende de apelar para a libido fatalmente seremos mortas e espancadas quando não atendermos as necessidades deste sistema sexista e macabro.

  2. Aldima Araujo abril 4, 2013 at 12:09 - Reply

    A TV Meio Norte de Terezina, tem um lixo de programa Madrugada Harém, que é uma verdadeira máquina de fazer tarados e aliciar jovens sem experiência do que é ser objeto sexual e todo azar que isso acarreta. Engraçado que a mesma tv tem o descaramento de fazer reportagens de violência contra a mulher, tenho certeza que este tipo de programa só faz aumentar a violência e outros crimes que veem junto com a prostituição.

  3. Aldima Araujo abril 4, 2013 at 12:21 - Reply

    E acho também que estamos pouco unidas para combater tudo isso, todas nós tínhamos de aderir em massa e nos apoiar sempre. Brigas temos de meter a colher sim…é covardia, principalmente por que homens levam mulheres a seus limites e ainda espancam quando descobertos, parece que o prazer em ter uma mulher em casa para limpar a sujeira deles enquanto ficam de bonzinhos para outras mulheres e homens também.

Deixe um comentário